17 dezembro 2009

Sua surpresa me pegou desprevenida e encheu meus olhos de lágrimas frescas, ao mesmo tempo em que o sorriso tomava conta da face.  Transbordei felicidade, de todas as formas doentias possíveis, dessas que só um humano que ama é capaz de fazer. Chover amor, por assim dizer. E ele me amava. Não como eu, mas me amava. Um amor chocho, despreocupado e natural, tal como o respirar. Sem pieguices, sem necessidades. Amar por amar, apenas. E mesmo sendo mínimo perto do meu, descobri que podia viver, tranquilamente, com aquilo. Amor assim, não sufoca.

Página 103, O amor em conta-gotas..

10 comentários:

Pâmela Marques disse...

O amor de todas as formas nos faz viver. Fato.
Fico imaginando que sempre existe alguém que se doa mais que o outro, mas creio que é possível viver e ser feliz assim também.

Queria ler esse livro todo, rs.

Aniinha ;D disse...

parabéns pelo blog (:
adorei seu post *----*
jah estou te seguindo \õ

gabiz disse...

tão lindo, tão Maria Fernanda.

Sylvio de Alencar. disse...

Já 'amei' assim.
Levei uma pá de chifres... :(

Deane disse...

não sufoca, mas nos dá bastante corda... daí nós mesmos nos sufocamos com ela.rs =/

D i c a disse...

Que mania idiota temos nós de sempre comparar, faço tanto isso.
O importante é ter amor.

Natália Corrêa disse...

Espero que o amor dela não o sufoque, então

maaria luiza disse...

sou pelo amor da tranquilidade, da independência!

Sofia Borges disse...

Lindo o post... adorei a expressão "transbordei felicidade" muito bom..

Feliz Natal. Beijos

KG disse...

Olá!
Obrigado pelo comentário e um lindo Natal a vc tb!
Td de bom!!!